Quando se tem crianças pequenas em casa, e a família pensa em adotar um animal de estimação, muitas coisas devem ser levadas em conta antes de tomar essa decisão. Apesar de estudos mostrarem que a relação entre pets e crianças ser muito benéfica, por ajudar no próprio desenvolvimento social da criança, além de ensinar sobre responsabilidade e reduzir as chances de desenvolver algumas doenças.

 

Pensando nas famílias com pequeninos e que querem adicionar um novo membro à família, separamos algumas dicas para auxiliar nessa decisão, e garantir a segurança e bem estar tanto de seus filhos como do pet que se juntará à família.

Crianças que convivem com animais, desenvolvem melhor o senso de companheirismo, mas atente para ensinar a respeitar os horários do bichinho, não incomodar durante o sono ou na hora que o pet estiver se alimentando, além de ensinar sobre como é importante passear com o ele, e sobre as suas necessidades fisiológicas.

 

Crianças até 7 anos, não podem ser deixadas sem supervisão quando estiverem com o seu pet, os pais devem estar presente a todo momento, além de prestarem atenção aos cuidados higiênicos dos animais, se atentar a pulgas e carrapatos, e conforme a criança cresce, ela pode começar a ser responsável por esse tipo de tarefa.

Pets e Recém Nascidos

Nos casos em que a família já tem um animal de estimação e está esperando um bebê, o processo será para adaptar o pet a chegada do novo membro da família. Levar ao quarto do bebê para se acostumar com o cheiro do berço, pelúcias, e até ensinar a não entrar no espaço quando a criança estiver dormindo. 

 

Segundo especialistas, quando se trata de cães, não existem raças específicas que tenham melhor relacionamento com crianças, tudo depende do ambiente em que o cão é criado, assim ele aprende e absorve a rotina da família. No caso de gatos, é muito importante ensinar a criança a respeitar o ritmo e individualidade do felino, principalmente para evitar que a criança sofra de arranhões por encostar no gato de maneira que ele se incomode.

 

Os benefícios de se crescer com um companheiro animal são diversos, ajudam a criar uma rotina de exercício, a desenvolver um senso de responsabilidade e respeito. Além de existirem os cães que são treinados para auxiliar crianças com transtornos físicos e neurológicos. Crianças autistas, por exemplo, tendo um animal como amigo, ajuda muito no lado sociável e podem ajudar em momentos de crise para acalmar a criança. 

 

No geral crescer com um bichinho é ótimo de muitas formas, seguindo essas dicas, a convivência entre eles pode se tornar ainda melhor e mais saudável.