Castração de gato: precisamos conversar sobre o assunto - docg.

Castração de gato: precisamos conversar sobre o assunto

O número de gatos que habitam as famílias brasileiras não para de crescer. De acordo com pesquisas feitas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a população felina cresceu mais do que a canina nos últimos anos. Por isso, precisamos falar sobre a castração de gato.

Os gatos são animais que se reproduzem muito rapidamente. Enquanto os cães têm cerca de dois cios por ano, esse número pode chegar ao dobro no caso dos bichanos. Além disso, é muito comum que as ninhadas sejam mais populosas e que eles atinjam a maturidade sexual muito mais cedo do que os cachorros.

Somado a isso, há o hábito de criação livre dos gatos, com as famosas ‘’saidinhas’’. Assim, eles ficam muito mais propensos a reproduzir e até mesmo contrair doenças sexualmente transmissíveis, que não são uma exclusividade da espécie humana.

Pensando nisso e na necessidade do controle populacional dos bichanos, que acabam abandonados, preparamos um post para esclarecer as principais dúvidas sobre a castração, mostrando como esse procedimento é simples e muito benéfico para os pets. Vamos lá?

O que é, afinal, a castração de gato?

A castração em gatos (assim como a dos cães) é um procedimento cirúrgico que consiste em finalizar o ciclo reprodutivo desses animais. No caso das fêmeas, é feita a retirada dos ovários, das trompas de falópio e do útero. Já os machos sofrem a retirada dos testículos.

O ciclo reprodutivo desses animais é muito ativo, o que faz com que eles se reproduzam muitas vezes ao ano. Os gatos machos não têm um cio propriamente dito, podendo reproduzir a qualquer momento a partir da maturidade sexual (que ocorre por volta dos 8 meses de idade).

As fêmeas, por sua vez, entram nesse período a mais ou menos cada dois meses (quando não ocorre a fecundação). Em caso de gravidez, o próximo cio ocorrerá apenas cerca de dois meses após o nascimento da ninhada e após o desmame da prole.

Quais os objetivos e benefícios do procedimento?

O principal objetivo da castração de gatos é eliminar a capacidade de reprodução desses animais. No entanto, a retirada dos órgãos reprodutivos acaba trazendo uma série de benefícios para a saúde de nossos pets. Os principais incluem:

  • exclusão do risco de doenças potencialmente letais, como a piometra, o câncer de ovários e outros;
  • fim dos riscos de contágio de doenças sexualmente transmissíveis;
  • diminuição dos riscos de câncer de mama e próstata, especialmente quando a castração é feita precocemente.

Além disso, a castração torna os animais mais caseiros e tranquilos, evitando o contágio por doenças virais e bacterianas graças às brigas com outros felinos. Outro benefício desse procedimento é a redução drástica de comportamentos típicos da sexualidade, como a marcação de território e a vocalização excessiva.

No que se refere à obesidade, é possível, sim, que os pets ganhem peso após a castração, uma vez que a sua atividade física e metabólica tende a diminuir. No entanto, com o fornecimento de uma ração de qualidade e o incentivo de exercícios por parte dos tutores, não há motivos para se preocupar com esse problema.

Que sinais indicam o cio?

Os gatos machos não têm um período de cio específico, estando sempre aptos a reproduzir. No entanto, alguns sinais podem indicar que eles atingiram a maturidade sexual, como:

  • aumento do tamanho dos testículos;
  • inquietação;
  • marcação do território com urina.

As fêmeas entram no cio e apresentam sintomas muito característicos. Os principais incluem:

  • vocalização excessiva, principalmente no período da noite;
  • inquietação;
  • carência excessiva (é comum que elas passem a se esfregarem mais nos tutores e a ficarem mais carinhosas).

Vale a pena salientar que ao contrário das fêmeas caninas, as gatas não apresentam sangramento vaginal durante o cio. Portanto, qualquer presença de sangue ou de secreção na região é considerada uma emergência médica, pois pode se tratar de piometra ou outros problemas na área.

Com qual idade os pets podem ser castrados?

De modo geral, os animais podem ser castrados a partir dos 3 meses de idade. A castração pediátrica é perfeitamente segura, além de trazer uma recuperação muito mais veloz tanto aos machos quanto às fêmeas.

No entanto, animais de praticamente todas as faixas etárias podem passar pela castração. No caso de pets com mais de 8 anos, no entanto, o cuidado é redobrado. Serão feitos exames pré-operatórios para todos os animais, independentemente de sua idade.

Como é feito o procedimento em machos e fêmeas?

A castração é um pouco diferente para machos e fêmeas. No caso dos meninos, ela é um procedimento completamente externo e consiste na retirada dos testículos a partir de uma pequena incisão no saco escrotal. Em casos raros, no entanto, quando o testículo não ‘’desce’’, é necessária a realização de uma incisão abdominal para retirá-lo.

As fêmeas precisam necessariamente da incisão abdominal, pois seus órgãos reprodutivos estão localizados no interior de seus corpos. Há, no entanto, técnicas modernas que garantem que o corte seja muito pequeno, minimizando o desconforto e os riscos no pós-operatório.

Pós-operatório e recuperação: como cuidar?

A recuperação de gatos após uma castração é, normalmente, bem rápida. No entanto, pode ser que eles fiquem ‘’molinhos’’ por alguns dias, devido aos efeitos da anestesia e a dor natural que o procedimento causa (mas que pode ser completamente controlada com o uso de analgésicos).

No primeiro dia após a castração, é necessário garantir a vigilância total no animal. Mantenha-o no nível do chão e seguro, de preferência em um ambiente escuro e silencioso. Lembre-se também de deixá-lo bem aquecido, pois a anestesia pode causar a sensação de muito frio.

Além disso, não é incomum que eles fiquem enjoados e não queiram comer por algumas horas. Deixe a comida e água à vontade e não se espante caso o conteúdo não pare no estômago. Se os vômitos não cessarem em até 12 horas ou o animal não comer nada pelo mesmo período, entre em contato com o médico veterinário.

Outro ponto muito importante é garantir que os bichanos não pulem ou façam movimentos muito extremos nos primeiros 7 dias. Isso garantirá a cicatrização completa, especialmente no caso das fêmeas, e evitará o rompimento dos pontos.

Passado esse período, é só alegria! Continue com a medicação prescrita pelo médico veterinário e fique tranquilo, pois o seu animalzinho só tem a ganhar com esse ato de amor feito por você.

Gostou de conhecer mais sobre a castração de gato? Como podemos observar, esse procedimento traz muitas vantagens para a qualidade de vida, longevidade e bem-estar de nossos bichanos. Por isso, converse com o seu médico veterinário sobre o assunto!

Terminou a leitura e ficou com alguma dúvida? Se o seu gatinho foi castrado, gostaria de compartilhar com os outros tutores boas dicas sobre o pós-operatório? Basta deixar um comentário logo abaixo e bater um papo com a gente!

Fique por dentro das novidades